“Depois do teu olhar”, o novo livro de Gabriel Resgala

nova-imagem“Depois do teu Olhar” é uma obra que busca, unindo leveza e profundidade, recontar a história de Jesus de Nazaré de maneira romanceada, sob a ótica dos personagens que com ele cruzaram. De forma envolvente, cada capítulo nos leva a imaginar detalhes de passagens marcantes que os evangelhos muitas vezes narram rapidamente – nem sempre instigando, a um olhar apressado, o devido encantamento.

Uma leitura cativante, tanto para cristãos quanto para quem simplesmente aprecia uma boa história. Uma grandiosa história, aliás!

O projeto do livro foi aprovado pela Benfeitoria, que é uma plataforma de financiamento coletivo bastante respeitada. É um site onde qualquer um pode ajudar os sonhos das pessoas se realizarem e ainda ganhar recompensas com isso! Todo mundo que contribuir a partir de 10 reais vai poder receber o livro em formato digital, em formato impresso com dedicatória, ou até mesmo virar personagem de uma crônica que eu vou escrever! Legal, né?

Ah, e uma parcela do valor arrecadado será doada para uma ONG e para o próprio site Benfeitoria, que faz um trabalho muito bacana sem cobrar nada!

Para mais informações, é só ver o vídeo abaixo, ou entrar direto no site:

benfeitoria.com/depoisdoteuolhar

Se quiser ler alguns textos do livro pra ter uma ideia de como é, basta entrar na minha página do Facebook.

Um grande abraço, e desde já muito obrigado!!

Gabriel Regala é natural de Juiz de Fora, criado na também mineira Carangola, graduado em Psicologia e mestre em Ciência da Religião pela UFJF. Autor de “‘Comprei Jujuba!‘ – crônicas, contos e reflexões” (PerSe, 2013).

Olimpíadas, Pokemón, Feliciano e Adultério | Pá-pum! #4

Conversa rápida sobre os principais assuntos do momento! O que já podemos refletir sobre o caso Feliciano?…


LINKS:

– Suposta morte de garoto enquanto jogava Pokemón: http://goo.gl/THC9Zk

– Youtuber caçando Pokemón na água: https://youtu.be/EWD5q764WmY

– Áudio da conversa entre garota que denunciou Feliciano e seu assessor: https://www.youtube.com/watch?v=TVH0-…

– Vídeo do Feliciano falando sobre o caso – https://www.youtube.com/watch?v=79DxjhjYzuw

– Pra acompanhar os detalhes do caso Feliciano: http://colunaesplanada.blogosfera.uol…

A BÍBLIA ERRA? | Religando #3

E eis que os vídeos do Vivo pela Vida ressurgem, com um novo quadro, o “religando”! Enfim!!
Aqui, uma resposta ao vídeo do Pirula “Felipe Neto Vs Feliciano – Comentários (PARTE 1)”. Inerrância da bíblia, da doutrina, do papa… Será que isso é realmente necessário?

LINKS:
– Vídeo original do Pirula: https://www.youtube.com/watch?v=Y0h9L…
– Sobre o Cherry Picking (evidência suprimida): https://pt.wikipedia.org/wiki/Evid%C3…
– Algumas coisas bizarras que a bíblia proíbe: http://goo.gl/NALvTZ
– Explicações para a violência de Deus em algumas partes do Antigo Testamento:
http://www.abiblia.org/ver.php?id=8038
https://goo.gl/EwoDPH
http://goo.gl/RpPlr5
– A centralidade do amor e da misericórida no cristianismo: http://goo.gl/27LUlq
“É a misericórdia que nos move para Deus, enquanto a justiça nos assusta, em relação a Ele.” (Bento XVI).

CITAÇÕES BÍBLICAS:
– Nm 31, 6-18
– 1Cor 14, 34-35
– Jó 1-42
– Mc 12, 28-34
– Mt 16, 13-20

E você, o que faz?…

Hoje o Estado Islâmico invadiu uma missa na França e degolou um padre que lutava pelo diálogo com muçulmanos. Um fato que pode parecer pequeno diante das milhares de mortes que os terroristas já fizeram, mas que simbolicamente tem um grande peso…
 
A partir de hoje, teremos dois grandes eventos mundiais acontecendo em sequência: a JMJ na Polônia, e na semana que vem as Olimpíadas no Rio. A verdade é que nenhum deles está nem um pouco imune a atentados. A França não consegue prevenir o que acontece lá, as mais avançadas polícias dos EUA não conseguiram evitar o 11 de setembro, os atentados de Boston… Simplesmente não há como prever o que virá.
 
Estamos em tempos em que a paz vai deixando de ser uma palavra abstrata e bonitinha de se botar em discursos, pra se tornar uma atitude assustadoramente forte de vida. Muitos vão com Trump, com Bolsonaro, e não acreditam na paz, acham que o “mal” se combate com guerra. Outros vão com Francisco, e abrem o vidro do carro mesmo onde um tiro pode acabar com tudo em segundos…
 
E hoje essa música dos Titãs não sai da minha mente…
 
“E você acredita ou não?
E então, o que você faz pela paz?
O que você faz pela paz?
O que você faz pela paz?”

Sugestão de leitura: Amoris Laetitia (“alegria do amor”)

Clique aqui ou na figura ao lado e dê uma lida na primeira parte do capítulo IV, intitulada “Nosso amor cotidiano”. Dá pra ler rapidamente em poucos minutos, ou então meditar profundamente a cada trecho. Nela, o Papa Francisco destrincha, de uma forma tão leve que dá quase pra ouvir ele falando, mas ao mesmo tempo tão rica que leva a uma natural reflexão de vida, o famoso Hino ao Amor de 1ª Cor 13, já cantado por Renato Russo e por tantos, mas nem sempre posto em prática por quem se diz cristão (including me). É como se ele dissesse: “ei cambada, vocês que dizem que amam mas continuam mandando todo mundo pro inferno, dá uma olhada nessas coisinhas óbvias aqui…”

A Amoris Laetitia (pra facilitar a pronúncia, lembre-se do nome “Letícia”, que significa alegria), lançada em março, se tornou, para mim, um pequeno tesouro ainda desconhecido de todos, apesar de amplamente acessível – tanto pela fácil leitura quanto pela fonte (basta jogar no Google e escolher se quer de grátis em html ou pdf, ou ainda impressa por apenas R$9,50). É uma espécie de continuação da Evangelli Gaudium, que sinaliza, através de situações cada vez mais práticas da vida familiar (que também podem ser aplicadas no dia-a-dia, em qualquer lugar) um novo tempo da Igreja, que aos poucos vai se tornando mais misericordiosa e menos moralista. Mais do que isso, fala em como resgatar o verdadeiro sentido do “amor” que foi pregado por aquele cabeludo esquisito lá – não tão piegas e ingênuo, mas tampouco mais pesado que um fardo leve – é hoje mais importante do que simplesmente sair condenando ou liberando preceitos como permitir a comunhão pra divorciados recasados (SPOILER: ele libera, numa nota de rodapé. Mas tem que entender o contexto… 😉 ).

A Amoris Laetitia é destinada aos todos os cristãos, mas não só a eles. Suas citações de Luther King, do poeta uruguaio Mario Benedetti e do filósofo existencialista Gabriel Marcel tentam aproximar o cristianismo do mundo, numa época em que o “mirar no céu”  tanto faz perder o foco dos passos que damos na Terra. A mim, a leitura fez mudar um pouco, desejar ser mais leve na vida, menos irritadiço… Seu módico preço me proporciona ter sempre dois exemplares à mão: um na cabeceira, outro pra presentear quem o coração manda. E todos que o recebem adoram, se encantam, agradecem…

A sensação que dá é que amar o sujeito do lado (vulgo próximo) é simples, porém não é nada fácil. Mas o Tio Chico, com aquele seu sorriso de “padre Jorge”, nos dá esperança de que é possível. Não só possível, como desejável, e capaz de fazer brilhar os olhos! Para nossa própria alegria:)

Por que o WhatsApp é bom, mas não deveria dominar o mundo

WhatsAppHá mais de 150 anos, era inventado o telefone. Há uns 30 anos, o padrão mouse + teclado + monitor de no mínimo 14′ era consolidado como modelo para a área de informática: ainda hoje, praticamente tudo o que é feito de forma profissional ou semi-profissional, deste texto caseiro que você está lendo à edição do maior blockbuster de Hollywood, passa por um computador com esse modelo. Há uns 20 anos, o telefone celular começou a se popularizar no Brasil – mesma época em que o e-mail e os messengers (mIRC, e depois ICQ, Msn, Skype…) se consolidavam como formas de comunicação padrão na internet: era só dar a um funcionário um e-mail, o acesso a um messenger corporativo e um celular que ele estava mais que preparado para se comunicar com tudo e todos no mundo. E, para lazer, foram surgindo as redes sociais, como o Orkut, o Twitter e o Facebook, que poderiam ser acessadas de casa ou em algumas empresas mais liberais. Mas, na última década, os smartphones e tablets, que enfim conseguiram juntar a internet e o telefone de forma satisfatória, mostrava que vieram pra ficar – e aí surgiu o WhatsApp.

E a bolinha verde dominou nossas vidas. São 1 bilhão de usuários no mundo, que quase não conseguem mais viver sem o aplicativo. Fazemos de tudo por ele – de tratar negócios milionários a chamar o filho, que está no quarto, pra almoçar. Mas o que o WhatsApp tem, enfim, de tão especial?

Em termos de funções, nada. E essa é a grande surpresa.

Skype videoconferênciaSim, é isso mesmo. Já parou pra pensar que o WhatsApp não faz nada a mais do que os outros messengers, como o Msn e o chat do Facebook, faziam – o Skype, aliás, é capaz de fazer até muito mais que ele. Com o programa azulzinho a gente enfim entrou no mundo dos Jetsons de verdade, se comunicando por vídeo com qualquer um no mundo, de graça – ou pagando um valor bem baixinho se quiser ligar pra um telefone sem internet. Qualquer um pode ligar pro Japão pelo preço de uma ligação local, ou menos.  Não seria o auge da popularização da tecnologia de comunicação?

Não, por um pequeno detalhe. Enquanto todos vieram pra somar, o WhatsApp veio pra substituir.

msn-messenger-11Seu trunfo não foi querer aperfeiçoar uma tecnologia, mas integrar os antigos modelos. O finado Msn já fazia tudo o que ele faz, há muito tempo atrás! Enviava textos, imagens, áudios, vídeos, carinhas felizes, mandava tudo quanto é arquivo, criava grupos… A única diferença é que no WhatsApp tudo está a um dedo de distância, em qualquer lugar. Basta um toque na tela ou um comando de voz no meio da rua, no carro ou no cinema.

E é isso que fez ele revolucionar a coisa toda: sua praticidade. Uniu os telefones e a internet, que até então caminhavam de forma paralela, numa coisa só. Com o WhatsApp, não precisamos mais fazer ligações (SMS nem pensar!), mandar e-mails, ver se alguém está online no messenger, e nem mesmo acessar as redes sociais pra nos distrair – afinal, ele também virou uma rede social! Com o “ZapZap”, não precisamos de mais nada. Ao menos, isso é o que eles querem que a gente pense…

O problema, o grande problema… É que ele não foi feito para ser tudo isso. Foi feito só pra ser um Msn da vida, que funciona muito bem no celular.

E isso tem consequências importantes pras nossas vidas.

“Ih, lá vem o Gabriel destilar sua birra com o WhatsApp”… Ok, reconheço que nunca fui muito simpático com ele. Mas eu reconheço que muito dessa birra, a princípio, eu não sabia explicar direito de onde vinha, e um pouco dela foi sendo desconstruída com o tempo, à medida em que eu fui utilizando mais o dito cujo e vendo como ele realmente é muito prático! Por outro lado, pude confirmar também muitas coisas que realmente fazem com que essa onda de whatsappismo crônico não sejam lá muito saudáveis pra gente…

Vamos lá.

Primeiro, me incomoda profundamente a forma exclusivista de acesso ao aplicativo. Você só pode usar o WhatsApp se, e somente se, estiver com o seu smartphone ligado e conectado. Só pode ser o SEU celular, nenhum outro, muito menos um computador qualquer. Que eu me lembre, nenhum outro meio de comunicação internético foi tão restritivo assim na história. O e-mail, no princípio, até dependia de instalar e configurar os Outlooks da vida, mas aí surgiu o webmail, pra poder acessar de qualquer lugar, e foi uma maravilha – me lembro até hoje da propaganda do Bol mostrando um faxineiro desinibido pedindo pra usar o computador do engravatado no escritório, pra mandar uma mensagem pra mãe dele lá no Nordeste. Tudo na internet você, em geral, pode acessar de qualquer terminal, bastando ter a senha. No celular, se ficar sem bateria, você pode ligar de outro telefone qualquer, bastando saber o número de destino. Mas pra mandar algo pra alguém de um WhatsApp que não seja o seu pode dar algum trabalho, ou ser mesmo impossível caso você queria mandar algo pra um grupo em que o dono do celular emprestado não está…

Já pararam pra pensar? Toda nossa comunicação, nossa relação com outras pessoas, baseada num único aparelhinho cuja bateria mal dura um dia, e cuja conexão nem sempre está aquela maravilha?

WhatsApp zangadoTudo sempre caminhou pra ser o mais aberto possível, mas acessível possível – até mesmo os aplicativos de Táxi e o Telegram, principal concorrente do WhatsApp, que estão lançando versões web, facilmente acessíveis de qualquer navegador. Mas o verdinho, por algum motivo desconhecido, até tem uma versão Web (que não funciona lá muito bem), mas só te deixa usá-la, pasme, se o celular estiver devidamente carregado e conectado. Ok, há alternativas como o BlueStacks, que emulam o Android no PC, mas que na verdade não passam de uma forma não-oficial, e nem sempre funcional, de burlar o sistema. O WhatsApp oficial, mesmo, tem verdadeira birra de computadores convencionais – e ninguém nunca soube explicar direito o porquê. Há teorias da conspiração que dizem que isso faz parte de um plano das grandes corporações para vender cada vez mais smartphones e tablets para pessoas que nem precisariam tanto deles assim, mas… como é tudo especulação, vamos pular essa parte.

Outro problema é a dificuldade do WhatsApp em organizar as informações recebidas. Ok, você tem opção de fazer backup das conversas… Mas e se quiser ouvir depois aquele áudio importante que alguém enviou ontem, num momento em que você estava com conexão ruim e não conseguiu baixar… Vai ter um considerável trabalho pra achá-lo em meio a milhares de novas mensagens que chegaram hoje.

Isso porque, como eu disse, o WhatsApp é um messenger, que não foi feito para separar e organizar informações, mas para comunicação instantânea. Antes, se você queria discutir algo mais detalhado, mandava um e-mail. Escrevia com calma, salvava um rascunho se precisasse, revisava. E a pessoa que o recebia, se estava com a caixa de entrada cheia, tinha uma boa facilidade em identificar o conteúdo pelo assunto, antes mesmo de abrir, e organizar segundo suas prioridades, marcando como “não lido” e usando outros recursos para ler depois.

O áudio e mesmo os textões do WhatsApp são uma “mão na roda”, uma facilidade imensa em termos de rapidez de comunicação! Mas ainda estão longe de possibilitar uma organização profissional do conteúdo recebido…

E isto nos leva a outro problema do verdinho: seu imediatismo. As discussões se dão a qualquer hora, em qualquer lugar que você esteja. Tá offline no hospital visitando sua mãe, na igreja, no teatro? Quando sair pode ter perdido uma “reunião” na qual, a partir de algo que alguém postou, os outros discutiram assuntos importantes sem a sua presença. Isso complica um conceito importantíssimo para a qualidade de vida, a diferenciação entre os momentos “no” trabalho e os “fora” do trabalho. Já trabalhei nessa área, e vi o quanto isso é importante para evitar o estresse que tanto nos assola hoje em dia! Mas, enquanto os estudos da área estavam discutindo até mesmo se o funcionário deveria receber pelos horários em que acessava seu e-mail do trabalho em casa, fora do horário de trabalho, veio o WhatsApp e jogou tudo pros ares. O e-mail corporativo, pelo menos, é um endereço diferente do pessoal, e o sujeito poderia ter uma certa escolha se queria ou não acessá-lo fora do expediente. O ZapZap não. É tudo junto, a qualquer hora. E naquela hora.

E, por fim, chegamos à sua função de rede social. Há algum problema em usar o WhatsApp para lazer com amigos? Nenhum – com exceção, talvez, do fato dele ser meio uma “terra sem lei” onde todo tipo de conteúdo pode ser divulgado, sem controle nenhum das autoridades, meio como o Orkut era no princípio – onde haviam até comunidades de incentivo a uso de drogas pesadas e redes de pedofilia, tudo escachado – e foi uma luta pra polícia conseguir ter acesso aos usuários. Agora, com a encriptação dos dados, ninguém de fora consegue saber o que é divulgado pelo WhatsApp, fazendo-o um meio de comunicação perfeito para bandidos. É questão de tempo até os corruptos aprenderem a usarem-no mais, acabando com a importância do trabalho da Polícia nos grampos de telefones, por exemplo.

Whatsapp grupoMas voltando à simples zoeira – ela pode ser inofensiva? É claro que sim… Se a gente conseguisse restringi-la a grupos específicos para isso. É chato, mas o ideal seria ter dois grupos do trabalho: um para assuntos sérios e outro para aqueles memes de rolar de rir. Dois da família: um para dar “bom dia” e compartilhar imagens religiosas piscantes, e outro para organizar a viagem de férias e os convites do casamento. Seria a única forma de não enlouquecermos ao ver que há 800 mensagens esperando para serem lidas, sem ter a menor ideia de quais realmente precisamos ler…

Enfim, creio ser este o principal problema do WhatsApp: querer dominar o mundo substituindo todos os outros meios de comunicação, sem no entanto ter uma boa estrutura para isso – aliás, em muitos casos se recusando deliberadamente a nos proporcionar uma estrutura melhor…

Portanto, neste momento em que tento arrumar o celular zicado enquanto imploro por resumos de informações whatsáppicas por Facebook e e-mail, penso que esta sensação de isolamento do mundo que me bate neste momento não precisaria existir pela simples falta de um único aplicativo. Estamos em plena era de revolução nas comunicações, que deveriam caminhar para sempre facilitar nossas vidas – e não nos tornar cada vez mais dependentes. Que saibamos, pois, utilizá-las para ganhar tempo, e não pra perder. Pra nos fazer mais próximos, e não mais distantes de quem está do nosso lado – ou mesmo acessível por outros meios. Para a paz, e não para o estresse…

SAUDADES DOS ANOS 90

confissões de adolescente

Hoje eu acordei com uma certa saudade dos anos 90. Não necessariamente da cultura pop daquela época – que foi até legal, mas… nesse aspecto, acho que os anos 80 foram melhores – dá até vontade de ter nascido um pouco mais cedo, no fim dos 70’s, pra pegar o Balão Mágico (em vez da Xuxa) na segunda infância e a Legião, em sua melhor fase, na adolescência. Mas os 80’s foram uma época meio doidona ainda, meio “liberou geral” demais na desforra pós-ditadura – tão liberal que até a Dercy botou os peitos pra fora no carnaval. Nos 90’s as coisas deram uma equilibrada. E o que eu tenho saudade é que, nessa época, o mundo era menos fundamentalista.

Talvez você tenha pensado em terrorismo, homens-bomba que se matam por virgens no céu. Isso, também, é claro; é a face mais extrema, mais triste, do fundamentalismo – e pensar que há, bem ao nosso lado, quem o justifique como sendo uma resposta ao “imperialismo ocidental” e tal… Mas me desanima também ver o nosso fundamentalismo diário, cotidiano, quase onipresente, de hoje.

Hoje tudo é radical, extremo, visceral. Coxinhas de um lado, petralhas do outro, se odiando mutuamente e xingando quem tá no meio de “bundão que fica em cima do muro”. Católicos que veem heresia em todo canto e clamam por mais excomunhões (mesmo o papa dizendo que é preciso justamente o contrário), evangélicos que apedrejam umbandistas, feministas que quebram e se masturbam com imagens, invadem igrejas sem roupa, xingam velhinhas. Taxistas espancando quem tá no carro preto, black blocks jogando bomba nos homens de preto, e os homens de preto atirando primeiro pra perguntar depois…

Você é automaticamente machista, homofóbico e racista até que prove o contrário (e às vezes é difícil provar, viu?). Se come um ovo, logo aparece alguém pra te chamar de assassino de pintinhos. E o mais irônico é que nunca foi tão fácil saber o que todo moleque do interior sabe – que só vira pinto o ovo “galado”, que (quase) ninguém come. Bastaria tirar o celular do bolso e invocar o Google – nem seria preciso digitar, era só apertar o botão e perguntar, o futuro chegou. Todo o conhecimento está ao alcance de um dedo. Mas não ficamos mais inteligentes.

No fim do século passado, as pessoas não pareciam ter tanto ódio por quem pensasse diferente. O Muro de Berlim tinha caído, e uma tal de “globalização”, que prometia vir por aí, embora cheia de incertezas, dava a impressão de que todos poderiam conseguir se comunicar melhor, e talvez se entender cada vez mais. Parecia que no fundo o mundo parecia estar caminhando pra ser um só – ainda cheio de diferenças e desigualdades, mas ainda sim um só…

Cara_pintadas 2Não que achássemos que tudo era uma maravilha – muito pelo contrário, era a revolta com o que estava ruim, e a esperança de algo melhor, que unia a todos. Todo artista pop tinha alguma música de cunho político/social em seu repertório, e isso fazia sucesso. A mídia enfatizava e todo mundo achava um absurdo as chacinas do Carandiru, da Candelária, de Vigário Geral – ninguém em sã consciência ousava dizer publicamente que bandido, trombadinha e pobre tinha mais é que morrer mesmo – aliás, você se lembra da chacina que houve na grande São Paulo no ano passado, ou nem ficou sabendo? Todo mundo torcia pra que as guerras do Golfo e da Bósnia acabassem logo, e se revoltavam com as atrocidades que viam lá – ao contrário, por exemplo, da guerra da Síria de hoje, que muitos nem sabem onde fica. Defender a volta da ditadura era coisa de uns poucos sem estudo, ou então de velhinhos saudosos de uma época cujos horrores lhes tinham sido ocultados. Dava pra entender, e não julgar quem pensasse assim. Jovens foram às ruas e ajudaram a derrubar um presidente sem botar uma máscara no rosto – e sem xingar ninguém de “comunista-vai-pra-cuba”.

programa livreProcure ver os debates que o Serginho Groisman fazia no Programa Livre, tudo ao vivo, todo santo dia. Era o programa mais respeitado, e ao mesmo tempo temido pelos convidados, por causa das perguntas dos adolescentes da plateia. Muito além de sexóloga respondendo questões ingênuas que o “meu amigo quer saber”; os jovens já iam pra lá já com algum conteúdo, e quase sempre mostravam saber lidar muito bem com políticos de todos os partidos, ativistas de todas as causas, gente de tudo quanto é tipo – botando na parede se preciso, e quase sempre sem perder o respeito. Tudo, repito, ao vivo, à tarde, na TV. Algo inimaginável hoje…

De repente, pois, tudo pareceu regredir, e não estávamos preparados pra isso. A exemplo de nossos pais, imaginávamos que no futuro teríamos de saber como lidar com uma nova geração mais “descolada” que a nossa – e não mais xiita. Mas, ao derrubar as torres em Nova York, em 2001, Bin Laden parece ter reerguido um novo muro, separado novamente o mundo, incitado tudo quanto é tipo de conflito. O barbudo, mesmo morto, parece estar mais vivo do que nunca, fazendo com que tudo cada vez mais seja feito com ódio, com guerra.

Sim, melhoramos em muitas coisas, graças a Deus! Não desejo nunca a volta de uma época em que um telefone fixo custava mil dólares (tinha que declarar no imposto de renda!) e pra comprar uma bala Sete Belo tinha que desembolsar uma nota de 2 mil cruzeiros – hoje, porque amanhã já podia estar 3 mil. Em que o trabalho e a mortalidade infantis eram uma realidade muito maior, e a fome e a miséria bem piores. Em que não havia genéricos, proibição de fumar em lugar fechado, celular, internet.

Mas gostaria, sinceramente, que tivéssemos evoluído junto com isso tudo…

Dino

ESPECIAL DE NATAL: o bem e o “microbem”! – vpvTV #9

Fazer o bem é difícil? O que é preciso para melhorar o mundo??
Em clima de Natal, uma boa e provocante conversa com nosso amigo Renato Lopes, diretor de projetos sociais, sobre o conceito de “microbem”: um bem acessível a todos, a QUALQUER momento!

Conheça e ajude também alguns projetos de “macrobem” do Renato – vale muito a pena!!

http://www.aban.org.br/
http://www.institutohumana.org/

TRAGÉDIA DE LAMA: não foi acidente!

Tragédia de Lama em Mariana e no Rio Doce

Toda minha pesquisa e indignação sobre a tragédia de lama que atingiu Mariana e o Rio Doce.

PRECISA DE AJUDA OU QUER AJUDAR?? – este site tenta mapear todas as formas de ajuda disponíveis:

www.riodoce.help

LINKS (atualizados em 19/11/2015):

– 600 moradores de Bento Rodrigues sem casa – http://goo.gl/6FmBxT

– Defesa civil recomenda que Bento Rodrigues acabe – http://goo.gl/vF9Va5

– Pelo menos 800 mil pessoas ficaram sem água em MG e ES (no dia 11/11/2015) – http://goo.gl/6pG0gJ

– Jornal Nacional trata o desastre como “enxurrada” de lama – 05/11/2015: https://youtu.be/7ByX2VRnY5w | 06/11/2015: https://youtu.be/mk1dA5oypoY | 09-11-2015: https://youtu.be/WLtrgFpvExQ?t=5m21s | 10-11-2015: https://youtu.be/fOjZPA4I-b0 | 11-11-2015: https://youtu.be/M_NsGmjdoHw | 12-11-2015: https://youtu.be/DNepZdY4jjM | No sábado 14/11, após os atentados em Paris,  simplesmente não tocaram no assunto.

– Porém, a partir do domingo 15/11, estranhamente, a Globo parece ter adotado outra postura, a começar pelo Fantástico (http://glo.bo/1OMHXJ2). O JN voltou passou a dar mais destaque à tragédia, parou de usar o termo “enxurrada” (apesar de o Jornal da Globo ainda usá-lo) e faz questão de enfatizar que a Samarco pertence à Vale e à BHP (informação que relutava em dar antes): 16/11/2015: http://glo.bo/20XMts5 | 17/11/2015: http://glo.bo/1X5RfPC | 18/11/2015: http://glo.bo/1X8FZCd. Mostrou também, de forma emotiva, o drama dos moradores – http://glo.bo/213GulP. Jornal Hoje chegou declamar poesia “profética” de Drummond, criticando abertamente a Vale – http://goo.gl/WOdy6P.

– Ondas do tsunami no Japão (que atingiu Fukushima) tiveram no máximo 10m – http://goo.gl/v6TSdS.

– Bombeiros calculam que tsunami em Bento Rodrigues teve cerca de 15 metros de altura – http://glo.bo/1OAepOQ. Reuters fala em 20 metros – http://goo.gl/OYMwrN.

– Cinegrafista da Globo desliga a câmera e repórter dá de ombro quando moradores denunciam Samarco (vídeo de redes sociais) – https://youtu.be/w4Q3NPDqZ-M.

– Samarco alega que avisou população por telefone -http://goo.gl/dERl0q

– Moradora usou buzina de moto como sirene e salvou todo mundo – http://goo.gl/d61Rz4

– Vale é a maior produtora mundial de pelotas de minério, e Samarco é a segunda – http://goo.gl/wMmjBP

– Samarco teve lucro de R$ 2,64 bilhões em 2014 – http://goo.gl/Xzmm6w

– Custos dos Estádios da Copa de 2014 – http://goo.gl/Tz0fTi. Somando-se os custo das Arenas Baixada, Beira-Rio, Dunas, Castelão e Pernambuco, o valor ainda é inferior ao lucro da Samarco em 2014.

– “Se fosse à noite morria todo mundo”: pessoas foram salvas em caminhão – http://goo.gl/KoGFC9

– Marido da professora foi até a escola avisá-la, e salvaram 58 crianças. – http://goo.gl/Apk9rB

– Morador perde R$60 mil que estavam escondidos no colchão – http://goo.gl/IYZwIQ

– Relato emocionante do pai e do avô sobre a morte da menina Emanuelly (Manu): http://goo.gl/CrLvX3.

– Bento Rodrigues tinha importância histórica e turística, com casarões e igrejas centenárias, cachoeiras, comidas típicas e hotel fazenda – http://goo.gl/Rblj3q

– Uma explicação sobre o que é o rejeito de minério – http://goo.gl/5mBI5h

– Vale já foi eleita como pior empresa do mundo em impactos sociais e ambientais – http://goo.gl/bFxknh

– Alguns casos anteriores de rompimentos de barragens em Minas (geralmente abafados pelas empresas) – http://goo.gl/yS4EpP

– Falta d’água gera pânico em Governador Valadares – http://goo.gl/ogFISg | População rezando por chuva – http://goo.gl/30VqJv.

– Comércio e escolas de Valadares sem água num calor de quase 40º – http://goo.gl/wDkZfw | Hospital sem água para hemodiálise – http://goo.gl/2TtDN7.

– Prefeitura de Valadares descarta 240 mil litros d’água enviados pela Vale, por causa de análises que indicaram contaminação por querosene – http://goo.gl/izp85f

– Venda de água tem escolta policial em Valadares (apesar das histórias de saques estarem circulando fortemente aqui em Minas, não encontrei relatos em mídias confiáveis) – http://goo.gl/wQ0sKu.

– Especialistas apontam que Rio Doce está morto, sem previsão de recuperação – http://goo.gl/W5IPxP

– “Costa do ES é pior lugar para receber rejeitos de mineradora” – http://goo.gl/iVTuRy.

– Prefeito de Baixo Guandu bloqueia ferrovia em protesto contra Vale e Samarco, mas Justiça manda liberar – http://goo.gl/3SZH8q

– Secretário de Estado Altamir Rôso (MG) diz que Samarco é “vítima” – http://goo.gl/xNQMz3.

– Dilma sobrevoa Mariana (prefeito pediu para que desembarcasse, mas ela não quis): http://goo.gl/BJrDma.

– Obama e a multa bilionária à petrolífera do Golfo do México – http://goo.gl/pWKeMi

– Empresa contratada pela Samarco analisa a toxicidade da lama  – http://goo.gl/tH3ThA. Empresa “isola” cena do crime – http://goo.gl/cehyJS.

– Doações da Vale nas últimas eleições (PT, PSDB e vários outros partidos e candidatos): http://ibase.br/pt/wp-content/uploads…

– Marina Silva estava em silêncio sobre o tema até o dia 12/11/2015 – http://crimideia.com.br/miniver/?p=9. Só foi se pronunciar em 13/11/2015, 8 dias após a tragédia – http://goo.gl/xw5RSy

– Voluntários vêm de longe para ajudar – http://goo.gl/g3i9Qg

– Universitários voluntários oferecem diversão a crianças – http://goo.gl/HrvtfA

– Reportagem de maio/2015 mostrar como era Bento Rodrigues,e a cooperativa de geleia de pimenta – https://www.youtube.com/watch?v=BoXpQiMJj1E
ATUALIZAÇÕES (19/11/2015):

– Lama chega a Colatina (ES) e deixa cidade sem água – http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2015/11/chegada-de-lama-interrompe-abastecimento-de-agua-em-colatina.html
– Samarco admite risco de rompimento de novas barragens – http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2015/11/samarco-admite-risco-de-rompimento-de-outras-duas-barragens-em-minas.html

– Para permitir que trabalhadores atingidos sacassem o FGTS, Dilma assinou decreto incluindo o rompimento de barragens na lista de “desastres naturais”. A subprocuradora da República criticou – http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2015/11/subprocuradora-critica-decreto-que-libera-fgts-para-vitimas-de-mariana.html

– Vale doou para as campanhas de metade dos deputados da Comissão Parlamentar criada para recuperação do Rio Doce (totalizando 388 milhões) – http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2015/11/vale-doou-metade-dos-deputados-da-comissao-do-rio-doce.html

– Justiça quer obrigar Samarco a barrar a lama antes de chegar ao litoral do ES – http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2015/11/samarco-tem-24-horas-para-barrar-lama-no-mar-do-es.html

– PRA RIR: – Dilma chama Samarco de “São Marcos” (ato falho??) – https://youtu.be/VLtgFcEVoZE

Lama em Mariana – COMO AJUDAR!

AJUDE AQUI:

VEJA as melhores formas de ajudar Mariana, no Facebook da prefeitura.
DOE ÁGUA para o Espírito Santo.

Um pequeno desabafo sobre a forma como as grandes empresas lidam com supostas “fatalidades”. E o que podemos fazer pra ajudar!

LINKS:

Reportagem do Fantástico: situação de Mariana.

Reportagem do Jornal Nacional: situação de Colatina.

Empresa reconhece que não havia aviso sonoro (e se confunde ao tentar dizer que começou a avisar os moradores 1 hora e meia antes da tragédia).

Como era Bento Rodrigues (Reportagem da TV Top Cultura – maio/2015).